Filha de Persephone

Minha foto
Brasília, DF, Brazil
"O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais, há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesmo compreendo, pois estou longe de ser uma pessimista; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que não se sente bem onde está, que tem saudades...sei lá de quê!" (Florbela Espanca, Carta no. 147)

Sobre ALICE RUIZ

"Que importa o sentido se tudo vibra"

ALICE RUIZ

tradutor

9 de março de 2010

De todas as maneiras - Maria Bethania LIVROS e FILMES

Livros

JARDIM, Reinaldo - Maria Bethânia Guerreira Guerrilha. Cooperativa editorial JB - Poder jovem

ÁLVAREZ LIMA, Maria - Maria Bethânia. Edições Intersong

ÁLVAREZ LIMA, Maria - Marginália, Arte e cultura na idade da pedrada. Salamandra - Consultoria editorial brasileira

AA.VV - Maria Bethânia - Dona do Dom, Crônicas, depoimentos e poemas. Ediçao Fã-Clube Rosa dos Ventos Bahia - 2006

Filmes

Maria Bethânia - Música é Perfume ( veja na seção vídeo )

Biscoito Fino lança em dvd documentário do francês Georges Gachot sobre Maria Bethânia, em que ele faz um mapeamento do processo criativo da cantora.
Tudo começou no Festival de Montreux, na Suíça, em 1998, quando o documentarista francês Georges Gachot, há 15 anos especialista em filmes sobre música clássica, foi a um show de Maria Bethânia pela primeira vez. . A perplexidade diante do que viu, o "choque com a presença dela em cena, sua concentração incrível de emoção, seus pés nus", segundo ele próprio, resultou na vontade imediata de fazer um documentário sobre a cantora. A imersão do cineasta num universo musical completamente desconhecido para ele, o de Bethânia, e por extensão o brasileiro, desaguou na sensibilidade crua de "Maria Bethânia- Música é perfume".

Decidido a fazer o filme, Gachot gastou cinco anos, de 1998 a 2003, num processo de pesquisa sobre a cantora e toda a história da música brasileira. O olhar estrangeiro e surpreso do cineasta confere ao filme um frescor, livrando-o de quaisquer chavões e ranço de repetição. Talvez o desconhecimento por parte de Gachot da carreira de Bethânia e da música brasileira seja uma explicação para a forma de desenvolvimento da narrativa: ele busca incessantemente a contextualização. Assim, "Música é perfume" é, antes de mais nada, uma análise do processo criativo de Bethânia dentro da perspectiva da formação da música popular brasileira. O filme traça um paralelo entre a vida da cantora e as transformações sociais ocorridas no Brasil.

O documentário é todo narrado pela própria Bethânia. Mais do que isso, sua voz nos conduz a uma viagem pelos vários sons e matizes que embalam e colorem o imenso mosaico humano-cultural que compõem a nação. Não à toa, as filmagens ocorrem durante a gravação do disco "Que falta você me faz", dedicado à obra de um dos mais brasileiros de nossos poetas, Vinicius de Moraes, e a turnê do show "Brasileirinho", em que a cantora lança um olhar apaixonado sobre o Brasil, a partir de referências incondicionais da arte brasileira. Gachot procura representar Bethânia como a voz síntese de um povo que tem a música como alimento e analgésico, como uma forma de redenção para a miséria ancestral que o assola.

Para o diretor, o mais importante era mostrar de onde vinha a música de Bethânia. Por isso, o registro dos ensaios, que ratificam o total domínio que a cantora tem do seu ofício, e a ida a Santo Amaro, cidade natal de Bethânia:

- Meu objetivo com o filme era pôr na tela a grandeza da música de Bethânia. Não quis que a história quebrasse a música. Quando as canções me davam a oportunidade, eu contava a história - disse.

Mas essas histórias também preenchem de humanidade a ode a uma estrela da canção. Além da própria Bethânia, que conta curiosidades de família (''Eu e Caetano adorávamos brincar de faquir quando crianças...Eu acho que foi a primeira aula de concentração que nós fizemos."), há outros depoimentos que permeiam todo o filme, como o do irmão Caetano (que sugeriu o nome Maria Bethânia, inspirado na música homônima eternizada por Nelson Gonçalves), da mãe Dona Canô, dos amigos Chico Buarque, Nana Caymmi e Gilberto Gil, e também do fiel maestro Jaime Alem.

O título "Música é Perfume" vem de uma idéia da própria Bethânia. Para ela, "nada como um cheiro ou uma música para nos fazer sentir, viver, lembrar". A confirmação de suas próprias palavras vem em seguida, ao ouvir sua interpretação de "Melodia Sentimental", e se emocionar.

- A voz mora em mim, mas não sinto como se fosse minha. É uma expressão de Deus, uma fagulha.

Não a sente como sua, porque pertence também a todos os "brasileirinhos", aquela gente humilde que aparece na abertura do filme catando lixo e vendendo cerveja na praia de Ipanema, com Bethânia falando o texto "Pátria Minha", de Vinicius, ao fundo. A voz de Bethânia é isso, é aquela que está presente em cada um de nós, a porção individual de fagulha divina. E, ao mesmo tempo, é expressão humana e síntese de todo um país. "Música é Perfume" capta a simbiose única entre uma voz e um país, até que não se saiba mais onde termina um e começa o outro.

Nos extras, cenas de Bethânia em estúdio cantando músicas como Gente Humilde, Nature Boy, Lamento no Morro, Eu não existo sem você e A Felicidade. E ainda, depoimentos de Susana De Moraes, Caetano Veloso, Moogie Canázio

Certas Palavras

Doces Bárbaros Tom Job Azulay

DVD duplo - Pedrinha de Aruanda e Bethânia bem de perto
Dois DVDs com registros de dois diretores especiais, Andrucha Waddington - "Pedrinha de Aruanda (2006)" e "Júlio Bressane - Bethânia bem de perto (1966)". O filme de Bressane, feito em 66 em preto e branco nos mostra Bethânia recém chegada ao Rio, para substituir Nara Leão no teatro, passeando pela cidade e na intimidade da sua casa com amigos como Macalé, Rosinha de Valença e Caetano Veloso.

O documentário "Maria Bethânia - Pedrinha de Aruanda" é um registro singular da intimidade de uma das maiores intérpretes brasileiras de todos os tempos. O ponto de partida é a comemoração do aniversário de sessenta anos da cantora, celebrados durante uma apresentação em Salvador e uma missa em Santo Amaro, sua cidade natal, em 2006. De lá, a cantora guia o diretor Andrucha Waddington aos lugares do vilarejo que marcaram sua vida. É na casa onde a artista passou sua infância e adolescência que acontece o ápice do filme: a seresta familiar na varanda, com a participação de sua mãe, Dona Canô, do irmão, o cantor e compositor Caetano Veloso, e do violonista e maestro Jaime Alem, entre outros.

Neste encontro, Maria Bethânia revela sua história a partir de músicas que a acompanharam ao longo de sua vida, como os clássicos populares "Gente Humilde" (Garoto), "Felicidade" (Lupicínio Rodrigues) e "A Tristeza do Jeca" (Angelino de Oliveira). Através da simplicidade e lucidez de Dona Canô, o documentário vai de encontro às raízes da cantora para fazer o retrato singelo de uma família genuinamente brasileira.

Bethania bem de perto


DESAFIO
Paulo Sarraceni

Cinema Novo João Batista de Andrade

Quando o carnaval chegar Cacá Diegues

Nenhum comentário:

quem visita Persephone

______________________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________________

Link-me !

Link- Me

Link- Me

Persephone faz TRADUÇÕES !

Persephone faz TRADUÇÕES !
camposdejaque@gmail.com

Siga PERSEPHONE ! Follow ME !