Filha de Persephone

Minha foto
Brasília, DF, Brazil
"O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais, há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesmo compreendo, pois estou longe de ser uma pessimista; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que não se sente bem onde está, que tem saudades...sei lá de quê!" (Florbela Espanca, Carta no. 147)

Sobre ALICE RUIZ

"Que importa o sentido se tudo vibra"

ALICE RUIZ

tradutor

2 de março de 2010

PARQUE INDUSTRIAL, DE PAGÚ

SEXO E GÊNERO EM PARQUE INDUSTRIAL, DE PAGÚ por Régis Bonvicino
Parque industrial, de Patrícia Galvão, a Pagú (1910-1962), foi escrito em 1932 e lançado no ano seguinte (em pequena tiragem financiada por Oswald de Andrade), sob o pseudônimo de Mara Lobo, que adotou para evitar ainda mais atritos com o Partido Comunista, no qual militava. O livro foi, portanto, composto sob Getúlio Vargas, que tomara o poder em 1930, sucedendo a Washington Luís, que governara o país de 1926 a 1930, após breve período de governo da junta militar liderada pelo general Tasso Fragoso (meses do mesmo 1930).
A polarização política do mundo entre comunistas e fascistas, que ocorreu nessa década, pautou igualmente as artes, que, pouco a pouco, na maioria de suas manifestações, foi deixando de lado as experiências internacionais e nacionais de vanguarda dos anos 1910 e 1920 para entrar num universo mais “realista”, “denuncista” “engajado” e partidário, que Carlos Drummond de Andrade sintetizaria com felicidade no poema “Nosso tempo”, de A rosa do povo, de 1945, ano da queda de Vargas: “este é tempo de partido/ tempos de homens partidos”. Um exemplo paradigmático do que acabo de enunciar: a tela Operários, de 1933, de Tarsila do Amaral, a musa do modernismo de 1922 e do Movimento Antropofágico de 1928, dissidência à esquerda do primeiro e no qual se alistava também Pagú, e do qual Oswald sairia “casado” com ela, deixando Tarsila.
Raul Bopp, um dos integrantes do Movimento Antropofágico, afirma, em Vida e morte da antropofagia (Rio de Janeiro/Brasília, Civilização Brasileira/inl, 1977), que a antropofagia, além de determinar uma estrutura nova do pensamento, “tomara posse de seu tempo”. Em conseqüência, Parque industrial maneja ainda técnicas de vanguarda, herdadas da década anterior e de sua vivência antropofágica, entre elas, a frase telegráfica, os diálogos nervosos, os cortes abruptos e uma plasticidade vívida. Parque industrial é, para muitos, como Kenneth David Jackson, que o verteu para o inglês, “um importante documento social e literário, com uma perspectiva feminina e única do mundo modernista de São Paulo”; por esse ângulo, alguns outros classificariam-no como “romance social”, numa linhagem que viria de O cortiço, de Aluísio de Azevedo, ou de Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, ambos do período realista do século xix.
Discordo: vejo em Parque industrial a inauguração, entre nós ao menos, de um gênero, o do romance panfletário, explícito e assumido. Na verdade, seu lado menos rico é o de documento social: as descrições dos cortiços e dos operários é ligeira, intelectualizada e sem profundidade. O livro vale-se da oposição Brás/Higienópolis (e de muitas outras), sem revelar detalhes dos habitantes dos dois bairros e deles mesmos, registrados em tinta rápida. Ao longo de sua duração, percebe-se o tom proselitista, insistente, como se Pagú quisesse provar alguma coisa aos colegas de Partido Comunista: “[...] na grande penitenciária social os teares se elevam e marcham se esgoelando” ou “[...] A burguesia perdeu seu próprio sentido. O proletariado marxista, através de todos os perigos, achou o seu caminho e nele se fortifica para o assalto final”. Cito dois exemplos, poderia transcrever inúmeros desse tipo de clichê, hoje e naquela época também. Outro, digamos deste modo, dos clichês do livro é a tradução óbvia de Oswald de Andrade no personagem Alfredo Rocha: “[...] Alfredo Rocha lê Marx e fuma um Partagas no apartamento rico do hotel Central (o Esplanada). Os pés achinelados machucam a pelúcia das almofadas. Cachorrinhos implicantes. Bonecas. O chic boêmio. Uma criadinha chinesa para servir o casal (nota do resenhista: a esposa, uma ex-proletária, está ausente do hotel naquele momento). A desarrumação. Ming! (fala Alfredo Rocha), Me dá chá com beijos [...]”. Persistem os clichês na descrição do ambiente, clichês que lhe dão exatamente o tom panfletário e, aí sim, pioneiro.
A delícia literária do livro está exatamente em outras descrições, as de cenas de sexualidade, sempre ousadas para aquela época: expressionistas, originais. Vejamos: “[...] A boca farta de beijos. O bronze de sua cabeça saturada de alegria está mais bronzeado. As pernas se alçam, com rasgões nas meias, sobre saltos descomunais. Traz um braseiro nas faces e um lenço novo, futurista, no pescoço [...]”. Ou então: “[...] Línguas maliciosas escorregam nos sorvetes compridos. Peitos propositais acendem os bicos sexualizados no sweater de listras, roçando [...]”; no caso, a palavra “listras” empresta à cena uma inflexão da descoberta de alguma coisa alucinante! Cito outro exemplo, esse comovente, sobre a personagem Corina, uma prostituta grávida que quer se suicidar: “[...] A sua roupa chove com a chuva. Volta taciturna para o mesmo banco. Procura. Não acha a nota que ele lhe atirara [...]”. Parque industrial inaugura o gênero romance panfletário construído à base – em sua maior parte – de clichês políticos e sociais, mesmo para os anos 1930. Seu maior mérito é, ao mesmo tempo, seu maior demérito. No entanto, ele registra o deslocamento dos poucos poetas/artistas que contavam em São Paulo nos anos 1930 – duríssimos sob Vargas e sob a industrialização caótica dessa cidade, sempre desplanejada em todos os sentidos. Há uma passagem que revela bem isso que acabo de anotar: “[...] Bruna desperta. A moça abaixa a cabeça revoltada. É preciso calar a boca! Assim, em todos os setores proletários, todos os dias, todas as semanas, todos os anos! Nos salões dos ricos, os poetas lacaios declamam ‘Como é lindo o teu tear’ [...]”.
Pagú, para fazer um paralelo atual, é nossa Anna Politkovskaya, a jornalista russa de 48 anos que cobria a guerra da Chechênia e foi assassinada, em 2006, em razão de sua luta e insistência em permanecer na Rússia, em solidariedade a suas fontes igualmente assassinadas durante os muitos anos de reportagens que produziu, desagradando o governo Putin e outros. Pagú pagou com prisão e tortura por sua ideologia e luta; pagou com descrédito por ser uma vanguardista antropofágica. Não se “exilou” em Paris! Parque industrial, além de já ser um clássico, é, ainda hoje, leitura interessante.

Parque industrial
de Mara Lobo/Patrícia Galvão
Rio de Janeiro, José Olympio, 2006, 122 p.

Nenhum comentário:

quem visita Persephone

______________________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________________

Link-me !

Link- Me

Link- Me

Persephone faz TRADUÇÕES !

Persephone faz TRADUÇÕES !
camposdejaque@gmail.com

Siga PERSEPHONE ! Follow ME !